Custos relacionados ao pé diabético no Brasil

Home/ Operadoras/ Custos relacionados ao pé diabético no Brasil

De todas as complicações crônicas relacionadas ao diabetes mellitus, o pé diabético é a mais frequente, estando associado à morbidade, mortalidade e custos significativos. 

O pé diabético inclui uma série de condições clínicas resultantes da doença arterial periférica e neuropatia diabética, causando ulceração nos pés e progredindo para a infecção, a osteomielite e, em última instância, a amputação, resultando em impactos econômicos importantes para os pacientes, suas famílias e a sociedade.¹ 

Foi estimado em 2015 que a cada ano as úlceras nos pés se desenvolvem entre 9,1 milhões a 26,1 milhões de pessoas com diabetes em todo o mundo.² Além disso, espera-se que a incidência do pé diabético aumente devido às crescentes tendências na prevalência de diabetes e na expectativa de vida prolongada desses pacientes.³  

Nos países em desenvolvimento, 25% dos pacientes com diabetes desenvolverão pelo menos uma úlcera no pé durante a vida.³ Evidências recentes mostram que a incidência de úlceras nos pés ao longo da vida pode ser ainda maior, chegando até 34%.⁴ Diante disso, percebe-se que as úlceras nos pés e as amputações são mais frequentes nos países em desenvolvimento.¹ 

 

Impactos dos Custos no Tratamento 

Os estudos científicos apontam evidências limitadas sobre os custos da “doença do pé diabético” relacionados à hospitalização e ao atendimento ambulatorial. Estes custos são maiores em pacientes que possuem diabetes e úlceras no pé comparados aos pacientes que não apresentam lesão.  

Nos países em desenvolvimento, onde a incidência e prevalência é alta e o impacto com custos são elevados, essas informações são importantes para os gestores implementarem as políticas públicas de saúde em direção às melhores práticas para a prevenção e o tratamento das complicações crônicas da DM. 

Um estudo sobre os custos diretos da assistência médica ao DM tipo dois na América Latina demostrou uma variação de 2,5% a 15% dos investimentos nacionais em saúde, a depender da prevalência local e da complexidade do tratamento disponível. Por outro lado, nos países desenvolvidos estas taxas variam de 5% a 6%. 

O primeiro estudo desenvolvido no Brasil para estimar os custos anuais relacionados ao pé diabético identificou um ônus econômico significativo, referente ao atendimento ambulatorial e hospitalar, que variou entre Int$ 107,9 milhões a Int$ 731,6 milhões, ao considerar diversos parâmetros da literatura disponível. (1 Int$ = 1.748 BRL) 

Os parâmetros mais importantes que direcionam essa variação foram a proporção de pacientes com úlceras nos pés e os que precisam de amputação. 

O referido estudo estimou que os custos diretos anuais relacionados ao pé diabético em 2014 foram de Int$ 361 milhões. Deste montante, Int$ 27,7 milhões foram relacionados à internação e Int$ 333,5 milhões ao atendimento ambulatorial, o que representa 0,31% dos gastos com saúde pública para este período.  

Observando as despesas com hospitalização do SUS, o governo federal gastou Int$ 7,414 bilhões em 2014 e os custos com internações representaram 0,37% desse valor, confirmando as consequências econômicas substanciais das lesões no pé diabético. 

Um estudo retrospectivo acerca dos custos do DM na perspectiva do SUS e da sociedade foi realizado em oito cidades brasileiras selecionadas nas regiões noroeste ou nordeste, sul e sudeste, durante o ano de 2007, com o objetivo de estimar os custos diretos e indiretos do atendimento ambulatorial de 1.000 pacientes com diabetes tipo dois.⁸ O custo anual total para atendimento ambulatorial foi de US $ 2.108 por paciente, dos quais US $ 1.335 por paciente de custos diretos (63,3%) e US $ 773 por paciente de custos indiretos (36,7%). Pacientes com complicações microvasculares e macrovasculares tiveram custos mais elevados (US $ 3.199 por paciente) em comparação àqueles com somente complicações microvasculares (US $ 2.062 por paciente) ou macrovasculares (US $ 2.517 por paciente). A maior parcela dos custos diretos foi atribuída a medicamentos (48,2%). 

Diabetes gera altos custos tanto para o Sistema Único de Saúde quanto para a sociedade. Estes custos aumentaram junto ao tempo de existência da doença, nível de atendimento e presença de complicações crônicas, havendo uma necessidade de realocar recursos da saúde com foco na prevenção primária do diabetes e suas complicações. 

Sendo assim, intervenções efetivas na prevenção e no tratamento do pé diabético devem ser adotadas e gerenciadas adequadamente em todos os níveis de atenção à saúde. 

Desta forma, é indispensável fortalecer os serviços de atenção primária secundária e terciária à saúde, com o intuito de reduzir o impacto da doença, aumentar a efetividade do tratamento, principalmente por meios de melhores condições de serviços especializados de saúde, acessos à tecnologia inovadora e qualidade na assistência. 

  

REFERÊNCIAS  

  1. InternationalDiabetes Federation. Diabetes Atlas, 7th ed. Available online: http://www.diabetesatlas.org/ resources/2017-atlas.html (accessed on 11 April 2017). 
  2. Boulton, A.J.;Vileikyte, L.; Ragnarson-Tennvall, G.; Apelqvist, J. The global burden of diabetic foot disease. Lancet 2005, 366, 1719–1724. [CrossRef] 
  3.  Armstrong, D.G.; Boulton, A.J.M.; Bus, S.A.;Ingelfinger, J.R. Diabetic foot ulcers and their recurrence. N. Engl. J. Med. 2017, 376, 2367–2375. [CrossRef] [PubMed] 
  4. International Diabetes Federation. Diabetes Atlas, 8th ed. Available online:http://www.diabetesatlas.org/ (accessed on 22 November 2017). 
  5. Macinko, J.; Harris, M.J. Brazil’s family health strategy—Delivering community-based primary care in a universal health system. N. Engl. J. Med. 2015, 372, 2177–2181. [CrossRef] [PubMed] 
  6. Bolaños, R.A.R. et al.Costos directos de atención médica em pacientes com diabetes mellitus tipo 2 em México: análisis de microcosteo. Ver Panam Salud Publica, v.28, p. 6, 2010. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v28n6a02.pdf   
  7. Toscano CM, Sugita TH, Rosa MQM, Pedrosa HC, Rosa RDS, Bahia LR. Custos médicos diretos anuais da doença do pé diabético no Brasil: um estudo sobre o custo da doença. Int J Environ Res SaúdePública . 2018; 15 (1): 89. Publicado em 8 de janeiro de 2018. doi: 10.3390 / ijerph15010089 
  8. Bahia, L.R. et al.The Costs of Type 2 Diabetes Mellitus Outpatient Care in the Bazilian Public Health System. Value in Health v.14, p. S137-S140, 2011. Disponível em: http://www.siencedirect.com/science/article/pii/S1098301511014252#  

Operadoras de saúde

Operadoras de Saúde Custos relacionados ao pé diabético no Brasil

Custos relacionados ao pé diabético no Brasil

De todas as complicações crônicas relacionadas ao diabetes mellitus, o pé diabético é a mais frequente, estando associado à morbidade, mortalidade e custos significativos.  O pé diabético inclui uma série de condições clínicas resultantes da doença arterial periférica e neuropatia diabética, causando ulceração nos pés e progredindo para a infecção, a osteomielite e, em última instância, a amputação, resultando em impactos econômicos importantes para os pacientes, suas famílias e a sociedade.¹  Foi estimado […]

Continuar lendo
Operadoras de Saúde Custo-efetividade e tratamento avançado de feridas

Custo-efetividade e tratamento avançado de feridas

O processo de cicatrização de feridas é composto por uma série de estágios complexos, interdependentes e simultâneos, que são descritos em fases. Do ponto de vista morfológico, identificam-se três fases consecutivas (inflamatória, proliferativa e maturação), havendo um dinamismo com sobreposição entre elas.

Continuar lendo
Operadoras de Saúde Custos do tratamento da úlcera venosa

Custos do tratamento da úlcera venosa

As úlceras venosas (UVs) podem ser de difícil cicatrização e, muitas vezes, o paciente convive com esta lesão por anos sem obter a cicatrização. Estima-se que elas sejam responsáveis por aproximadamente 70% a 90% das úlceras crônicas de membros inferiores. A incidência desta lesão aumenta com a idade, sendo maior na faixa de 65 a […]

Continuar lendo